Somos criaturas de Deus
"Então formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego da vida. E o homem passou a ser alma vivente."
(Gêneses 2:7)

    Você já parou para observar a perfeição de Deus no relato da criação? Já observou a gestação de uma espécie? Tudo ocorre no devido tempo e na forma pela qual Deus planejou. Quando falamos da origem da humanidade, falamos algo mais que um início. A ênfase recai não somente em como os homens vieram a existir, mas qual o motivo e o propósito que está por trás de sua presença neste lugar. A Bíblia afirma que um Deus totalmente sábio, poderoso e bom criou a raça humana para amá-lo e servi-lo, e para desfrutar de um relacionamento com ele.
    Mas não pára por aí. O livro do Gêneses registra a decisão divina de fazer os seres humanos em sua própria imagem e semelhança. No Éden, os seres humanos possuíam livre acesso à comunhão com Deus, até o dia em que a serpente, mais sagaz que todos os animais, engana Eva. O pecado então entra no coração da humanidade, resultando na perda da semelhança e da imagem do criador. Os atributos comunicáveis de Deus à humanidade como o perdão, o amor, a santidade sofrem, com a queda do homem, limitações. Foi preciso uma providência da parte de Deus para o resgate da imagem e semelhança: o nascimento virginal de Jesus, o Cristo que padeceu e ressurgiu para que a comunhão com o Pai fosse restabelecida.
    Paulo entende bem esta questão quando escreve aos irmãos de Éfeso (4:24):
"E vos revistais do novo homem, criado segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade". Percebemos, então, uma recriação, em Cristo, da humanidade caída, mediante a fé. O novo homem então passa a viver o tempo da salvação que raiou na ressurreição de Jesus. Paulo nos mostra um conceito de Deus como criador dos céus e da terra, que conduz todas as coisas à sua consumação, que é o resgate completo da imagem e semelhança de Deus, a partir de Cristo, como o último Adão, inaugurador da nova humanidade. O novo homem então passa a Estar em Cristo, apontando para um estado contínuo, um modo de existência que reflete o caráter de Jesus, a quem está subordinado todo principado e poder e quem sustenta todas as coisas pela Palavra de seu poder. Paulo explica aos irmãos de Corinto, em sua segunda carta, e afirma que Jesus vencerá todas as potestades malignas e então virá o fim, quando entregará o reino ao Pai, a fim de que Deus seja tudo em todos. Por isso nos recomenda em Colossenses que busquemos o conhecimento em Cristo:

    "Para que o coração deles seja confortado e vinculado juntamente em amor, e eles tenham toda riqueza da forte convicção do entendimento, para compreenderem plenamente o mistério de Deus, Cristo, em que todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão ocultos." Assim, "você será transformado de glória em glória na própria imagem do Senhor, como pelo Espírito."

Por Auxilandia, serva de Deus, pastora em Cristo.

3 - Março - 2009       

 
  Voltar para índice de mensagens
|- - IEMB - Design: João Batista A.P - Igreja Evangélica Missionaria Brasileira- Leia a Bíblia, ouça a voz de Deus - Ministério: Pr. João Nogueira Pimenta -|