Como sombra são os nossos dias sobre a terra, e não há outra esperança.

(I Cr 29:15)

 

            Os cronistas relataram a história de Israel retirando dela a essência de lições espirituais e morais. O significado dos fatos marcou a escrita. Mas isso não partiu da brilhante ideia de alguém que se colocou à disposição de narrar casos. Veio do Espírito do vivo Deus.

            O como viver e o que não se fazer nessa vida foram direção do Espírito Santo ao inspirar os escritores bíblicos.

O primeiro livro das Crônicas encerra-se com as orientações de Davi a Salomão, seu filho e herdeiro do trono de Israel. Nelas, o rei Davi lembra aos presentes na cerimônia de recolhimento das ofertas para a construção da Casa de Deus, o Templo de Salomão, que a vida humana é breve na terra. Por isso, a esperança que se firma na carne não passa de uma sombra. É preciso fé em algo infinito, eterno.

Então disse Davi a toda congregação: Agora louvai o Senhor, vosso Deus. (I Cr 29:20)

 

Em meio a tantos recursos materiais arrecadados, o louvor não poderia ser esquecido. Tudo vinha de Deus e para ele retornava (I Cr 29:14).

Responsabilidade individual é quesito básico para o cuidado especial que se deve ter nesta vida. Corpo requer alimento para continuar com o fôlego de vida. O espírito - que é imortal - exige também sustento.

Jesus apresentou-se como o pão da vida. Ele é a esperança de uma vida pautada na eternidade, cujo passaporte é a graça divina e a fé humana.

 

Eis a voz do que diz: Clama. E respondeu um: Que hei de clamar? Toda a carne é erva, e toda a sua glória como a flor do campo; seca-se a erva e cai a flor, porque o hálito de Jeová nela assopra: na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, cai a flor; mas a palavra do nosso Deus subsistirá para sempre. 
(Isaías 40:6-8)

É o sopro divino chamado de Espírito Santo que prepara o crente para a vida eterna. Apesar da transitoriedade dos dias vividos no planeta terra, há esperança garantida pela palavra de Deus.

 E podem passar céus e terra, mas o que sai da boca de Deus tem a marca da eterna fidelidade. Atos fidedignos do Pai Celeste foram comprovados com a entrega do Filho Unigênito para doar vida em abundância aos que o recebem. Seu amor realiza convite a todo instante aos que jazem nas trevas.

Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo. (Ap 3:20)

Paulo relatou que é em Cristo que temos tal confiança em Deus. (2 Cor  3:4). Se Jesus é o visitante, não há o que temer. O coração deve permanecer contrito para recepção do ministério da justiça finalizado pelo Deus que se fez homem.

E da mesma forma que Jesus provou a morte para no terceiro dia ressurgir em glória,  a humanidade torna-se herdeira da glorificação do corpo ressurreto. Isso acontecerá com a vinda triunfante do Filho exaltado. Essa é a esperança que sublima a curta vida na terra que não passa de sombra.

 

Por Auxilandia, pastora em Cristo, serva de Deus.

11 - 01 - 2012     

 
  Voltar para índice de mensagens
|- - IEMB - Design: João Batista A.P - Igreja Evangélica Missionaria Brasileira- Leia a Bíblia, ouça a voz de Deus - Ministério: Pr. João Nogueira Pimenta -|