Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da Lei e dos fariseus, vós não entrareis no Reino dos Céus. (Mt 5.20)

 

                Segundo a tradição judaica cristã, santidade é atributo de Deus e um dos seus nomes, e realça a transcendência da natureza divina. Se santidade é atributo divino, por que houve determinação do próprio Deus para que o povo judeu se fizesse santo? Há uma resposta clara nas Santas Escrituras:

Aquele que é participante da santidade divina pela prática da Palavra ou por ordem específica, geralmente reconhecida pelo toque do Santo Espírito, torna-se santo diante dele.

 

               Para entrar no reino celeste, é preciso ter santidade? Sim. Sem ela, não se acessam as coisas lá do alto.

Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor.

Hebreus 12.14


             Jesus ensinou aos discípulos que a posse do reino dos céus passa pela peneira da santidade: cumprimento fiel dos mandamentos divinos. Havia no tempo do ministério terreno de Jesus uma classe de estudiosos da Bíblia chamada de fariseus. Eles tinham a Torah (Bíblia dos judeus) nos lábios, porém seus corações se apresentavam distantes da direção de Deus, porque o orgulho em saber a lei supria a necessidade de cumpri-la.

 Outros mestres da lei mosaica, escrita pelo dedo do Senhor, também nutriam a vaidade de serem os portadores do oráculo divino. Como os fariseus, não praticavam a lei com misericórdia, justiça e temor.

            

              Qual o conceito de reino dos céus? O evangelista Lucas responde claramente:

 

Certa vez, tendo sido interrogado pelos fariseus sobre quando viria o Reino de Deus, Jesus respondeu: O Reino de Deus não vem de modo visível, nem se dirá: Aqui está ele, ou Lá está; porque o Reino de Deus está no coração de cada um. (Lucas 17.20)

 

             Como a interpretação da Bíblia deve considerar o todo da revelação divina, e não partes dessa revelação, Paulo complementa o conceito de reino dos céus:

 

Pois o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo. (Rm 14.17)

    Paz, alegria e justiça procedem de onde? Do coração. Por isso, Lucas afirma que o reino celeste está no coração de cada um. Por essa razão, os que buscam preencher o vazio da alma com coisas terrenas encontram frustrações.

Se você confessar com a sua boca que Jesus é Senhor e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo. (Romanos 10.9)

   

           A salvação é o gozo do reino celeste reservado para um tempo futuro, em que Jesus implantará seu reinado de paz por toda eternidade. Reino dos céus, ou Reino de Deus, é o gozo do fruto da salvação durante a vida transitória nesta terra. Para se viver o reino de Deus é preciso santidade, que é a separação das coisas oferecidas pelo mundo.

        É possível ser salvo e não viver o reino de Deus? Sim. Já que o reino dos céus se toma por esforço, nem todos têm a alegria do Espírito, tampouco praticam a justiça, ou promovem a paz. Mas naquele grande dia, em que o Trono Branco ou o Tribunal de Cristo se revelará, muitos terão galardão e outros terão perdas, mesmo que o espírito seja salvo como pelo fogo.

    Vale a pena se esforçar e exceder em prática o amor sacrifical derramado nos corações no momento do selo do Espírito para o dia da salvação.

Por Auxilandia, pastora em Cristo Jesus.

05 - 06 - 2014     

 
  Voltar para índice de mensagens
|- - IEMB - Design: João Batista A.P - Igreja Evangélica Missionaria Brasileira- Leia a Bíblia, ouça a voz de Deus - Ministério: Pr. João Nogueira Pimenta -|