Missão na terra

Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. Jesus afastou-se com o homem, para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e com a saliva tocou a língua dele. Olhando para o céu, suspirou e disse: Efatá!, que quer dizer: Abre-te! Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade.

(Mc 7.32)

            Deus chama seus cooperadores e os envia para a grande missão divina: pregar o evangelho, curar os enfermos, expulsar os demônios. Essa ação promove o reino dos céus chegado ao mundo com a encarnação de Cristo Jesus, mas que necessita de trabalhadores, pois grande é a seara.

Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim.

(Isaías 6.8)

            Isaías ouviu o chamado. Entretanto, para ele não bastou ser escolhido. Ele se dispôs a aceitar a escolha e recebeu a vocação com atitudes responsáveis diante de Deus. Colocou-se disponível para o ministério profético.

            Jesus foi o exemplo supremo da obediência ao chamado e do serviço responsável. Destemido, pregou o evangelho, curou os enfermos, expulsou demônios. Agiu de forma diferenciada em cada ocasião.

Humildes, vede isto e alegrai-vos: o vosso coração reviverá, se  procurardes o Senhor continuamente. (Sl 68)

A imposição de mãos foi marca característica do ministério de Jesus. Na libertação do surdo relatada por Marcos, tocou nos ouvidos, cuspiu e usou a saliva para curar a língua.

Atitude essa questionada por qualquer ser que usa a razão e tenta compreender o óbvio. Fez tudo com humildade e obediência, porque sabia que o poder não vinha dele, estando ele encarnado, mas do Pai, que o comissionou. Sem questionar o modo como curou, obedeceu.

Como Jesus é o centro da revelação do Pai e da Palavra viva dirigida aos homens para o bem deles, deve-se, diariamente, buscar Nele o Espírito Santo para encorajamento e força necessária para vencer as lutas travadas pelas hostes da maldade e perseverar na realização da obra de Deus na terra.

Paulo, servo de Jesus Cristo, apóstolo por vocação, escolhido para o Evangelho de Deus, que pelos profetas havia prometido, nas Escrituras, e que diz respeito a seu Filho, descendente de Davi segundo a carne, autenticado como Filho de Deus com poder, pelo Espírito de Santidade que o ressuscitou dos mortos, Jesus Cristo, nosso Senhor.

(Rm 1)

 

Paulo, em suas cartas, nunca negou seu chamado. Fez questão de mencionar seu apostolado porque havia entendido a importância de seu trabalho para implantação dos valores eternos na vida dos seres humanos, atacados pelas setas malignas e que, por isso, necessitam de proteção divina.

Mas, como o salmista relata que a procura por Deus é contínua, entende-se que o bem desce e alcança a terra a partir de invocações dirigidas ao Trono da Graça. Esse entendimento está consolidado em toda a escritura.

Da mesma forma, como relata claramente as Escrituras, o mal entra por invocações de quem faz aliança com as trevas e não são convertidos ao evangelho. Por essa razão, o chamado dos trabalhadores do reino celeste deve ser colocado em prática.

Muitas são as tribulações dos justos, mas Deus os livrará de todas. (Sl. 33)

            Deus livra, sempre, de todas. Mas não significa que o justo fique fora dos ambientes de tribulações.

Pelo contrário, quem deseja viver piedosamente sofre perseguições e somente não é tentado acima das forças. Até onde suporta leva a afronta por amor ao evangelho e entra para as bem aventuranças.

Por Auxilandia, pastora em Cristo Jesus.

12 - 02 - 2015     

 
  Voltar para índice de mensagens
|- - IEMB - Design: João Batista A.P - Igreja Evangélica Missionaria Brasileira- Leia a Bíblia, ouça a voz de Deus - Ministério: Pr. João Nogueira Pimenta -|