Cordeiro que tira o pecado do mundo


E o rei deu ordem a todo o povo, dizendo: celebrai a Páscoa ao Senhor, vosso Deus, como está escrito no livro da Aliança. (2 Reis 23. 21)

 

Pascha é a grafia grega da palavra aramaica para páscoa, derivada do hebraico pasach e traduz ideia de “passar sobre, poupar”.

Israel foi liberto da opressão do Egito sob o comando de Moisés, a quem Deus atribuiu a competência para ministrar a páscoa.

O povo foi poupado do anjo da morte, das águas tumultuadas do mar vermelho, do exército perseguidor de Faraó no caminho da Terra Prometida.

Mas páscoa, para os cristãos, é o memorial do sacrifício expiatório de Jesus Cristo.

Ele veio encarnado e viveu as aflições humanas.  Doou a própria vida terrena para salvação de todos os que o recebem.

 

Bem sabeis que, daqui a dois dias, é a Páscoa, e o Filho do Homem será entregue para ser crucificado. (Mt 26.2)

 

       Natal é conhecido no mundo inteiro pelo nascimento de Jesus. Mesmo não crendo em seu poder como Deus, não há quem ignore essa data.

       Qual o objetivo desse acontecimento que marcou a história mundial?

Morte de cruz, como sacrifício pelos pecados da humanidade para que a vida eterna se estabeleça para os que creem. Jesus nasceu para cumprir morte expiatória.

Morreu em nosso lugar. Antes da fundação do mundo, o cordeiro que tira o pecado já havia sido entregue à morte.

Josias foi um rei que fez o que era reto aos olhos de Deus, principalmente no que diz respeito às ordenanças da Lei de Moisés.

Restabeleceu a Páscoa, e providenciou uma reforma espiritual que contemplou a retirada de coisas impuras.

Porém, no ano décimo oitavo do rei Josias, esta Páscoa se celebrou ao Senhor, em Jerusalém. E também os adivinhos, e os feiticeiros, e os ídolos, e todas as abominações que se viam na terra de Judá e em Jerusalém, os extirpou Josias, para confirmar as palavras da lei, que estavam escritas no livro que o sacerdote Hilquias achara na Casa do Senhor.

 (2 Reis 23.23, 24)

Adivinhos e feiticeiros são representações da morte, destruição e do roubo. São instrumentos de Satanás para materializar o papel maligno.

Hoje, o princípio bíblico de extirpar feiticeiros e adivinhos se opera pela oração e jejum.

Eles precisam ser retirados do caminho. Precisam ser libertos, salvos e transformados para que o objetivo da Páscoa alcance o povo de Deus que sofre opressão vinda das invocações do mal.

Há previsão bíblica de que muitos rejeitam a Palavra da Salvação e participarão da segunda morte no lago de fogo preparado para Satanás e seus anjos. Porém, nossa obrigação espiritual é clamar pela salvação para que sejam paralisados em seus maus caminhos.

Por Auxilandia, pastora em Cristo Jesus.

25 - 08 - 2016     

 
  Voltar para índice de mensagens
|- - IEMB - Design: João Batista A.P - Igreja Evangélica Missionaria Brasileira- Leia a Bíblia, ouça a voz de Deus - Ministério: Pr. João Nogueira Pimenta -|